sábado, 27 de junho de 2009

Os incompreendidos


Sentou-se no fundo do ônibus. Colocou sua mochila no colo e começou a abrir um dos bolsos, a procura de um livro, quando o viu. Sua figura tinha os ombros levemente caídos e mostravam uma certa preocupação, ele tinha um exemplar surrado de "Um Apanhador no Campo de Centeio" entre as mãos. Ele sentava-se em um banco da praça com os cabelos curtos e castanhos soltos, seus lábios vermelhos como um morango estavam entreabertos e seu rosto parecia cansado, mas foram os olhos que chamaram a atenção dela, seus olhos exageradamente tristes e sem foco. Ficou admirada ao ver a dor refletida em seu olhar, teve vontade de descer do ônibus e se sentar ao lado dele, ela só sentaria. Não diria uma palavra. Sentaria a seu lado e o fitaria por alguns instantes. Uma onda de um sentimento que não pôde distinguir a invadiu ao vê-lo erguer a cabeça lentamente em sua direção. Seus olhos negros se moveram em milésimos de segundos, que mais pareceram uma eternidade e ele a fitou. Seus olhos incrivelmente nostálgicos se grudaram nos dela e ambos sentiram um arrepio.
Ele não desviou o olhar. Seu olhar penetrante a atingiu e ela ficou estática. Não precisaram de palavras. Eles se compreenderam com um simples olhar. O ônibus começou a andar e ela se despediu silenciosamente, ele continuou parado, como se quisesse entender o que estava acontecendo. Ela baixou o olhar para o livro que pegara na mochila, o coração reconfortado por saber que em algum lugar do mundo existia alguém que a compreendia.


Ela se assustou ao ver o ônibus parando novamente e seu coração acelerou quando ela olhou para cima e o viu, entrando no ônibus. Ele se sentou ao lado dela e sorriu ao ver o exemplar de "Um Apanhador no Campo de Centeio" nas mão dela, com um aceno de cabeça indicou o dele.


Eles se olharam e desejaram que aquele momento jamais acabasse.

Um comentário:

Fernanda C. disse...

Nossa amiga, simplesmente lindo, perfeito! Você escreve muito bem Kenia continue assim! E eu fico super feliz por você ter escrito pensando em mim! Te amo amiga!