sexta-feira, 16 de outubro de 2009

(...)

“Sempre senti, a vida inteira, que as páginas que ia deixando à minha passagem eram parte de mim. As pessoas normais trazem filhos ao mundo, nós romancistas, trazemos livros. Estamos condenados a deixar a vida neles, embora quase nunca nos agradeçam por isso. Estamos condenados a morrer em suas páginas e, às vezes, a permitir que elas acabem nos tirando a vida.”

O jogo do Anjo - Carlos Ruiz Záfon

Um comentário:

Brunna disse...

"As pessoas normais trazem filhos ao mundo, nós romancistas, trazemos livros. Estamos condenados a deixar a vida neles, embora quase nunca nos agradeçam por isso." Amei esse trecho. :)
Beijos